Melasma

É uma doença crônica, ou seja, não tem cura, mas tem tratamento e caracteriza-se pelo surgimento de manchas acastanhadas na pele, mais comumente na face, que também pode acometer outras partes do corpo como braços, pescoço e colo. Afeta principalmente mulheres, mas também pode acometer homens. Não tem causa definida, mas observamos relação com o uso de anticoncepcionais femininos, com a gravidez e, principalmente, com a exposição solar. Além dos fatores hormonais e da exposição aos raios solares, a predisposição genética também influencia no
surgimento desta condição.

As lesões têm formatos irregulares, porém bem definidos e geralmente são iguais nos dois lados do rosto. As áreas mais acometidas da face são: testa, nariz, lábio superior (o chamado buço) e as bochechas. 

Existem diversas formas de tratar o melasma que variam desde a aplicação diária de cremes clareadores prescritas pelo médico dermatologista a peelings e microagulhamento.

A fotoproteção diária e incansável é a base de todo o tratamento e da manutenção da pele tratada. O paciente deve aplicar o filtro solar diariamente e não esquecer de reaplicar de 3 em 3 horas. O filtro deve ser físico e químico, com FPS alto e ter proteção contra os raios ultravioleta A (UVA) e ultravioleta B (UVB).

A associação com antioxidantes orais também é válida, já que hoje em dia sabemos que a ação dos radicais livres na pele pode piorar o melasma.

Tratamentos caseiros ou inadequados muitas vezes podem piorar as manchas, por isso é necessária uma consulta com dermatologista para que o tratamento seja prescrito de forma personalizada.

Procure um dermatologista de confiança e comece logo a tratar o seu melasma.