Dermatite atópica

A dermatite atópica é uma das doenças mais prevalentes na infância.  É uma doença genética, crônica onde o paciente apresenta pele seca, erupções que coçam e crostas. Acomete área das dobras dos braços e da parte posterior dos joelhos. Não é contagiosa e geralmente vem acompanhada de asma ou rinite alérgica. Por ser crônico, trata-se de um quadro inflamatório da pele que vai e volta, podendo haver intervalos de meses ou anos, entre uma crise e outra.

O quadro clínico da dermatite atópica muda conforme a fase da doença e pode ser divido em três estágios:

– Fase infantil (3 meses a 2 anos de idade);

– Fase pré-puberal (2 a 12 anos de idade);

– Fase adulta (a partir de 12 anos de idade).

O objetivo do tratamento da dermatite atópica visa o controle da coceira, a redução da inflamação da pele e a prevenção das recorrências. Devido à pele ressecada, a base do tratamento é o uso de emolientes, também chamados de hidratantes. Isso porque a hidratação da pele é necessária para aliviar o eczema. A recomendação é que se aplique esses produtos várias vezes ao dia, não deixando a pele ficar muito seca. Pode-se também lançar mão de anti-histamínicos e corticoides tópicos e algumas vezes, a depender da gravidade, corticoide oral. 

Pacientes com dermatite atópica devem ser acompanhados pelo dermatologista, pois ele é o melhor profissional para conduzir as crises agudas e
orientar medidas importantes para a manutenção do tratamento, reduzindo, assim, a intensidade e número das crises.