Câncer de Pele

Fiquem atentos a feridas que não cicatrizam, sinais que sangram e que estão aumentando de tamanho e de coloração.
O câncer da pele corresponde a 33% de todos os cânceres no Brasil. É causado pelo crescimento anormal e descontrolado das células que compõem a pele. 

Os mais comuns são os carcinomas basocelulares e os espinocelulares e o mais raro e agressivo é o melanoma:

Carcinoma basocelular (CBC): geralmente surge em áreas fotoexpostas como face, orelhas, pescoço, couro cabeludo, ombros e costas. No entanto, podem aparecer nas áreas não expostas, ainda que mais raramente. O tipo mais encontrado é o CBC nódulo-ulcerativo, que se traduz como uma pápula vermelha, brilhosa, com uma crosta central, que pode sangrar com facilidade. 

Carcinoma espinocelular (CEC): segundo mais prevalente dentre todos os tipos de câncer. Pode aparecer em todas as partes do corpo, mas é mais comum nas áreas expostas ao sol, como orelhas, rosto, couro cabeludo, pescoço etc. A pele nessas regiões, normalmente, apresenta sinais de dano solar, como enrugamento, mudanças na pigmentação e perda de elasticidade. É mais frequente em homens do que em mulheres. Pode estar associado a feridas crônicas e cicatrizes na pele. Normalmente, os CECs têm coloração avermelhada e se apresentam na forma de machucados ou feridas espessos e descamativos, que não cicatrizam e sangram ocasionalmente. Eles podem ter aparência similar a das verrugas. Somente um médico especializado está apto a fazer o diagnóstico correto.

Melanoma: tipo mais raro dentre todos os cânceres da pele, o melanoma tem o pior prognóstico e o mais alto índice de mortalidade, porém as chances de cura são de mais de 90%, quando há detecção precoce da doença. O melanoma, em geral, tem a aparência de uma pinta ou de um sinal na pele, em tons acastanhados ou enegrecidos. Porém, a “pinta” ou o “sinal”, em geral, mudam de cor, de formato ou de tamanho, e podem causar sangramento. Nas mulheres é mais comum nas pernas e nos homens no tronco. Vale lembrar que uma lesão considerada “normal” para um leigo, pode ser suspeita para um dermatologista.

Em resumo, ocorre em regiões do corpo onde tomamos sol em caráter intermitente ou áreas de trauma: face, costas, couro cabeludo, pés, mãos e unhas.

Lembrar da regra do ABCDE:

Os tratamentos das lesões de  câncer de pele geralmente são cirúrgicos e as peças cirúrgicas excisadas sempre serão enviadas para estudo anatomopatológico para confirmação diagnóstica.